Terça-feira, 25 de Janeiro de 2011

Dèjá Lu



Publicado por Bernardo Hourmat às 09:33 | link do post | comentar

Terça-feira, 18 de Janeiro de 2011

 

Fonte: Zohra Bensemra/Reuters

 

Enquanto no nosso país, a campanha para as presidenciais se aproxima do seu glorioso apogeu, por entre gritos de "vem aí o fascismo" e "não deixem a direita destruir a nossa democracia", um bocadinho mais ali além têm-se vivido dias onde, à falta de melhor designação, há uma luta real por aquilo que alguns consideram sera defesa dos seus direitos e a expulsão de um regime que não os satisfazia.

 

Falo da Tunísia e daquilo que já é considerada como a primeira revolução com uma real capacidade de "multiplicação" para outros países da região (nomeadamente o Egipto de Mubarak). Depois dos tumultos das passadas semanas, o país encontra-se agora sob a alçada de um Governo de União Nacional enquanto se preparam eleições legislativas e presidenciais, com o Exército a manter um grau mínimo de segurança nas ruas.

 

Curioso que, atendendo à importância do Mediterrâneo e dos países da região para Portugal, não se percam duas linhas de cada entrevista com qualquer dos "presidenciáveis", não obstante o papel claro do Presidente da República enquanto representante de Portugal no estrangeiro e a importância da sua opinião em matéria internacional.
De qualquer forma, se a política internacional já nem é tema para legislativas, porque é que o haveria de ser para presidenciais...A trabalheira que isso dava e ninguém ligava nenhuma?

 

Voltando à Tunísia, é interessante ver duas perspectivas distintas sobre o mesmo fenómeno. Por um lado, Roger Cohen no New York Times, com um "The Arab Gdansk", onde exorta os EUA e a UE para um esforço no apoio às forças democráticas na Tunísia, embora reconheça a dificuldade que durante este período conturbado, existe em identificar exactamente quem são esses elementos:

 

America and its allies, especially France, should do all they can to ensure this bravery does not end in some new iteration of despotism. Anything less than prompt free and fair elections organized by a national unity government should be rebuffed. What the Arab world needs above all is accountability, transparency and modernity in its governance, of the kind that encourages personal responsibility.

  

Por outro lado, Anne Applebaum apresenta uma análise mais cautelosa dos acontecimentos tunisinos, com "Tunisia's Jasmine Revolution might not install a democracy":

 

While watching Tunisia's "Jasmine Revolution" unfold, remember this: Street demonstrations can unexpectedly bring extremists into power, as they did in Iran in 1979. They can create unrealistic expectations and then unravel, as did the Orange Revolution that began in Ukraine in 2004. And they can end badly, with reactionary violence, like the 1989 protests in Tiananmen Square.

  

By contrast, the most successful transitions to democracy are often undramatic. Consider Spain, after the death of Franco; Chile, after the resignation of Pinochet; Poland, which negotiated its way out of communism; all of these democratic transitions dragged on, created few spectacular photographs - and ultimately led to stable political systems.

 

São duas perspectivas particularmente diferenciadas acerca de um fenómeno que, embora esteja a ter alguma cobertura por parte da nossa comunicação social, merecia mais atenção num período de campanha eleitoral...

 

 

 



Publicado por Bernardo Hourmat às 09:35 | link do post | comentar

Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2011

No blog Margens de Erro, de Pedro Magalhães, encontro este pequeno tesouro:

 

Estive hoje numa conferência sobre Matemática e Eleições. Fui falar sobre sondagens. Estavam mais de 100 pessoas na assistência. Falei de erro amostral e outros tipos de erro, de cobertura, de "não-contacto" e "não-resposta".

 

Muitas perguntas. Perguntaram-se se o erro amostral é afectado pela dimensão da população sobre a qual estamos a fazer inferências. Se a abstenção afecta a diferença entre as intenções de voto e os resultados, e como e porquê. Em que medida os dados do recenseamento da população são úteis para quem faz sondagens. Se sempre é verdade que as sondagens subestimam sistematicamente o CDS e, se sim, por que será. O que se faz para corrigir distorções entre a composição das amostras e aquilo que julgamos saber sobre a população? E se nós sabemos as fontes de erro "não-amostral", o que podemos fazer para as contrariar? E porque não fazemos mais e melhor?

Quem me fez estas e outras perguntas foram alunos de 15 e 16 anos do Colégio Paulo VI, em Gondomar. Não é só as perguntas terem sido boas. Foram todas curtas, muito incisivas, feitas por pessoas que perguntam porque, simplesmente, querem saber. Nada do que sucede normalmente nas conferências em Portugal ("Bem, a minha pergunta não é bem uma pergunta, é um comentário," etc). Em suma, continuo optimista.

 

 

Pois é. 

Afinal, não é uma embirração só minha, o gosto que muita gente que saltita de conferência em conferência tem em dissertar 20min sobre algo que deveria ter feito sob a forma de uma pergunta. Assisti a vários casos, incluindo na minha Faculdade e pude perceber que parece ser um hábito que se cria nas próprias aulas quando, durante alguma exposição por parte do Professor, surge a inevitável interrupção de "Oh Professor, mas isso não é o mesmo que dizer [inserir verborreia de 10min que não leva a lado nenhum e é exactamente aquilo que acabou de ser dito]."

Enfim, infelizmente a vida não é um sketch de Monty Python, senão haveria sempre alguém vestido de cavaleiro e com uma galinha de borracha para calar essas luminárias.






Publicado por Bernardo Hourmat às 09:16 | link do post | comentar

Terça-feira, 11 de Janeiro de 2011

E ao 3º dia, Alegre oferece-se para interromper a camp...Não, afinal oferece-se para apoiar Cavaco Silva se este achar por bem interromper a campanha para dar inicio a uma espécie de European Tour para acalmar os espíritos mais nervosos.

 

Genial, diga-se de passagem. Mas não me parece suficiente, longe disso...

 

O que deveria acontecer era a campanha ser suspensa por completo e, à semelhança da Tour dos Big Four (entenda-se, para os mais distraídos, Metallica, Slayer, Megadeth e Anthrax), teríamos Cavaco, Alegre, Nobre e Moura (o José Manuel Coelho teria que ser um roadie) num verdadeiro périplo patriótico pelas capitais europeias a canter "We're not gonna take it" (sim, é dos Twisted Sister mas vá lá, work with me).

 

Um pouco mais a sério, o que é que se passará com Alegre para largar este género de atoardas? Achará realmente que este tipo de sugestões lhe darão algum ar de estadista? Ou, ainda mais absurdo, que Cavaco poderia concordar? Quem é que lhe dá estas ideias?!

 



Publicado por Bernardo Hourmat às 09:49 | link do post | comentar

Segunda-feira, 10 de Janeiro de 2011

Elite do PS não surge na campanha eleitoral de Manuel Alegre porque tanto a elite do PS como a campanha eleitoral do Manuel Alegre não existem

In Inimigo Público

 

Pois...Realmente é isto, mais coisa menos coisa.



Publicado por Bernardo Hourmat às 17:35 | link do post | comentar

Quarta-feira, 5 de Janeiro de 2011

...for who is to say that it won't become a dragon?

 

Sim, talvez seja apenas um pretexto para iniciar um post com esta frase, mas achei esta notícia do WSJ interessante:

 

 

The first clear pictures of what appears to be a Chinese stealth fighter prototype have been published online, highlighting China's military buildup just days before U.S. Defense Secretary Robert Gates heads to Bejiing to try to repair defense ties.

China has made rapid progress in developing a capability to produce advanced weapons, also including unmanned aerial vehicles, after decades of importing and reverse engineering Russian arms. The photographs throw a fresh spotlight on the sensitive issue of China's military modernization just as Washington and Beijing try to improve relations following a series of public disputes in 2010.

 

A sabedoria convencional diz-nos que o gap militar e tecnológico norte-americano dificilmente será alcançado nos tempos mais próximos pela China, considerando-se esta o seu adversário mais provável na eventualidade de um hipotético confronto. No entanto, são inegáveis os avanços e esforços levados a cabo pela RPC para se dotar de um considerável leque de opções militares que podem vir a criar alguns atritos mais ou menos sérios na região do Pacífico não só aos EUA mas também a países como o Japão e a Índia.

Para quem se interessa por estas questões esperam-se tempos um pouco incertos em relação ao equilibrio de forças em certas regiões do Globo, mas serão sem dúvida, tempos bastante interessantes.

 



Publicado por Bernardo Hourmat às 11:39 | link do post | comentar

Terça-feira, 4 de Janeiro de 2011

 

O i faz hoje uma entrevista ao candidato presidencial Fernando Nobre que tem algum interesse isto porque, goste-se ou não, é o único candidato que ainda tem algum interesse nesta campanha.

 

Provavelmente não será isso que lhe vai garantir um bom resultado no final deste mês, mas ainda assim, é talvez o candidato cujo resultado possa ser aguardado com mais antecipação, para que se possa ver até que ponto é que a vertente "não-política" é valorizada. Numa coisa não deixo de dar razão a Fernando Nobre, somos constantemente bombardeados com a crescente insatisfação da sociedade civil face à sua classe política, chamamos-lhes todos os nomes, são isto e aquilo, bandidos e gatunos.

 

No entanto, surgindo um candidato que, com todas as reservas que é possível fazer (e o próprio finalmente reconhece que anda a fazer política há muito tempo, só não o tem feito através de partidos), pode-lhe ser atribuida a categoria de "outsider" e a primeira coisa a fazer é malhar na sua "inexperiência" para exercer o cargo ou, pior ainda, o célebre argumento de que foi empurrado por Mário Soares para chatear o Manuel Alegre 2010/2011.

 

Ainda assim, há coisas que chateiam um pouco em Fernando Nobre (como em Alegre, Cavaco, Lopes ou Moura). Logo à partida a forma como invoca o seu passado e a arrogância como o faz. Isto notou-se especialmente no primeiro debate com Francisco Lopes e no célebre episódio das "crianças com fome", sendo que parece ter havido um maior controlo por parte de Nobre à medida que se foi dando conta do "backlash" que foi tendo na imprensa e na blogosfera.

 

Por outro lado há uma certa indefinição em relação àquilo que o próprio poderá e deverá fazer enquanto PR. Isto relaciona-se um pouco com a sua alegada "inexperiência" face ao papel e poderes de um Presidente. Na entrevista, Nobre considera que um PR deve ser um "árbitro" que gere tensões mas, por outro lado, deve ser também um "decisor político" (Lembrei-me do famoso "Decider" de G. W. Bush). Como conjuga estas duas atribuições, fica ao critério dos leitores.

 

Finalmente, a forma como não sendo um político "partidário" ainda recorre à mesmas tácticas quando fala nos carros que vão buscar assessores de Ministros ao Cartaxo e que, consequentemente, "pelo país todos há carros do Estado a irem buscar assessores a casa". Sendo isto uma acusação relativamente clara e com alguma gravidade, os casos deveriam ser enumerados um por um. Que o Estado é despesista já nós sabemos e somos relembrados desse triste facto todos os dias, mas a um candidato presidencial não fica bem este género de insinuações (como bem se viu com Defensor Moura e as críticas a Cavaco Silva, que Nobre elegantemente contorna).

 

Enfim, são apenas alguns comentários que me surgiram com a entrevista. Confesso-me totalmente descrente nestas eleições presidenciais. Teria dois candidatos em que gostaria de votar mas que têm sido peritos em fazer-me perder a vontade, enquanto eleitor.



Publicado por Bernardo Hourmat às 09:20 | link do post | comentar

mais sobre mim
Agosto 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

O fino recorte da nossa c...

O Circo

De greves e sindicatos

Se estás a ler isto, não ...

As maravilhas do "Google ...

Para citar o amigo Tolkie...

Notícias da Faixa de Gaza

Pensar o Mundo, Repensar ...

Grandes Títulos

O Mundo ao contrário

arquivos

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

tags

egipto

líbia

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds